Patologias

Tendinite de Quervain

Sobre

O que é a tendinite de Quervain?  

Esta tendinite se caracteriza pela inflamação dos dois tendões que estão contidos no primeiro túnel dorsal e “abrem” o polegar; estes se encontram localizados “3 dedos acima da raiz do polegar”.

Quais os sintomas desta enfermidade?

Os sintomas clássicos se compõem por dor na face radial do punho quando se realiza o ato de torcer um pano, abrir uma lata, abrir uma maçaneta de porta, girar uma chave ou até mesmo segurar um bebê. Um sinal clássico foi descrito por Finkelstein e força o polegar aduzido ao desvio simultâneo do punho em direção cubital.

As gestantes e as mulheres que acabaram de dar a luz e estão em pleno cuidado de seus bebês são os indivíduos mais acometidos, entretanto, outros grupos podem padecer desta enfermidade, como os trabalhadores de montagem (em virtude do giro da chave de fenda, os que utilizam martelo), dentre outros.

Por que surge?

Estes tendões são tracionados todas as vezes que a mão se inclina no sentido do dedo mínimo (desvio ulnar). A enfermidade se associa com alterações anatômicas como a presença de mais que dois tendões (tendões extra numerários), túnel septado etc.

Nas gestantes a situação se agrava pelo “encharcamento” do túnel que ocorre em virtude da retenção hídrica fisiológica da gravidez; esta condição aumenta a pressão no interior do referido túnel.

Qual é o tratamento para esta condição?

Nos casos iniciais tem de haver imobilização do polegar com uma splint apropriado, associado à fisioterapia e medicação anti-inflamatória, se ainda houver persistência dos sintomas deve ser realizado o uso criterioso de infiltração de corticóide local. Os casos que não respondem ao tratamento clínico devem ser submetidos à descompressão dos tendões por via cirúrgica.

As gestantes são um caso à parte, pois o uso de medicação durante a gestação é restrito, o que dificulta o tratamento. Na maioria das vezes o especialista aguarda o término da gestação e acompanha a paciente; a maior parte das pacientes tornam-se assintomáticas ; porém se houver persistência dos sintomas, a mesma deve ser tratada normalmente como descrito no parágrafo anterior. 

O cirurgião de mão é o profissional mais capacitado para definir o diagnóstico, avaliar a gravidade e instituir o tratamento adequado.